4.500 revendedoras de carros usados fecharam as portas com a baixa do IPI

José Cavazoni 15 de agosto de 2012 0




A redução do IPI fez aumentar e muito a compra tanto de carros novos como os usados. O ruim disto tudo é que mais de 4.500 revendedoras de carros usados fecharam as portas no país por causa da baixa do IPI entre março e julho, segundo dados da Fenauto (Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores).

O fechamento das revendas aconteceu porque, com a queda dos preços, os comerciantes não conseguiram vender os carros adquiridos antes da medida do governo e ainda ter lucro, explica Stephan Keese, sócio-diretor da consultoria Roland Berger. “Esse é um grande problema, um desafio para a rentabilidade das concessionárias”, afirma.

Com o IPI menor para os novos, houve uma desvalorização de 10% a 15% no preço dos usados, conforme a entidade. “Em maio, os estoques estavam lotados de carros comprados por um preço superior. Isso prejudicou os comerciantes, pois tiveram que vender por um valor mais baixo”, explica Ilídio Gonçalves dos Santos, presidente da Fenauto.

Redução nas vendas
De janeiro a maio, a redução nas vendas de usados em São Paulo chegou a 12,1%, na comparação com o mesmo período do ano passado. “Ainda vamos fazer o levantamento de maio a agosto, mas certamente a situação se agravou”, estima Santos.
Além do imposto menor, os revendedores avaliam que a restrição de crédito, provocada pela inadimplência, também contribuiu para a queda nas vendas. “De cada dez fichas para financiamento, cerca de sete são negadas. A exigência dos bancos aumentou”, argumenta.
Abílio Tastaldi, dono de uma loja de usados na zona oeste de São Paulo, conta que quem pretendia vender o carro usado para trocar por um zero, para aproveitar a redução do IPI, acabou ficando decepcionado. “As pessoas não queriam aceitar que o valor do carro tinha caído. Isso prejudicou as trocas. Se um carro valia R$ 18 mil, passamos a oferecer de R$ 14 mil a R$ 15 mil”, conta.

 

Situação para o consumidor
Para o consumidor que deseja comprar um carro usado, a situação é mais vantajosa, na opinião do comerciante Marlon Eden, que procura um seminovo há cerca de um mês. “Percebo que o mercado está parado e desesperado para se livrar do estoque. No caso de um carro zero, é muito grande [queda do valor de revenda]. Em compensação, o preço que eu pagar agora no usado, não deve desvalorizar muito depois.”

 

fonte fenauto

Comentários

Deixe seu comentário »